Autor
Contactos
Links
Espaço DMA
Os meus sites
Promoções, Silêncios, Desvirtuações
Terceiro Mundo em Notícias
Foi Você que Pediu um Bom Título?
YouTube
VÍDEOS EM DESTAQUE
Twitter
Facebook
Rádio BLIP
PODOMATIC DMPA
Manchete
Slideshare DMPA
Slideshows DMA
Torga em SMS
Centenário da República
Sítios dos meus alunos
Espaço A
Media Critics
Polémicas
Derrapagens
Da Condição de Jornalista
Educação para os Media
Fotografia
Fotojornalismo
Internet
Blogosfera
Televisão
Imprensa
Rádio
Agências Noticiosas
Design Gráfico
Publicidade
Público & Privado
Leituras
Revival
Vária
Recreio

 Inquérito









 Velvet Secret

Velvet Secret
Queima das Fitas, Coimbra, Maio 2007
Get flash player to play to this file



ALERGIAS EM GRUPOS DE ALUNOS DE VÁRIAS ESCOLAS
Morangos com Açúcar pode ter originado vaga psicológica de sintomas em crianças

Os grupos de alunos de várias escolas que deram entrada em hospitais do Norte e de Lisboa devido a sintomas de alergias ou de intoxicação poderão estar a imitar os comportmentos de personagens da série Morangos com Açúcar. A série, que é uma telenovela juvenil, passa na TVI e é muito popular entre o seu público-alvo.

Os casos de alegada alergia detectados nos últimos dias em alunos de várias escolas indiciam a imitação de comportamentos de personagens televisivas, admitiu hoje no Porto a investigadora de sociologia da educação Maria José Magalhães.

Quarenta e três crianças de uma escola em Caneças (em Odivelas), arredores de Lisboa, foram assistidas no Hospital de Santa Maria, não se confirmando a hipótese de alergia, disse à agência Lusa o delegado de saúde regional de Lisboa e Vale do Tejo, António Suspiro. "Não está confirmado que seja uma alergia, é apenas uma hipótese", disse António Suspiro.

Em declarações à Lusa, Mário Almeida, do INEM/Norte, classificou o elevado número de queixas de prurido na pele como uma situação "psicológica" que poderá estar relacionada com a telenovela Morangos com Açúcar, da TVI, já que em episódios recentes surgiu uma intoxicação entre as personagens adolescentes do folhetim, com sintomas idênticos aos de que se queixam agora os alunos.

“Poderá ser uma atitude mimética. Esses programas de televisão são modelos comportamentais”, disse Maria José Magalhães, professora da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação do Porto. Para a investigadora, a solução do problema está na procura de modelos alternativos, que não se podem cingir ao discurso normativo do “não podes ver isso”, “não podes fumar” ou “não podes colocar ‘piercings’”.

"Não se pode ficar apenas pela condenação moral e pela proibição. É preciso aceitar a situação e trabalhar modelos alternativos para a resolução do problema", afirmou a docente. Defendeu também que os programas televisivos que exerçam uma grande influência nos comportamentos da população, nomeadamente dos adolescentes, sejam seguidos por espaços de reflexão sobre o assunto abordado, à semelhança do que existe em Espanha e noutros países.

A investigadora propôs ainda a aposta em actividades de animação sócio-cultural, que, de uma forma natural e não normativa, levem os adolescentes a encontrar por si próprios modelos comportamentais alternativos.

FONTE: Público

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Causas ainda desconhecidas
Mais de 40 crianças retiradas de escola de Caneças por suspeita de intoxicação
17.05.2006 - 19h20 - PÚBLICO

Quarenta e duas crianças da Escola Casal Novo, em Caneças, foram hoje retiradas do estabelecimento de ensino por suspeita de intoxicação por causas ainda desconhecidas, tendo 16 delas sido transferidas para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Também hoje, mas no Norte do país, em pelo menos cinco escolas, surgiram casos de alunos a queixarem-se de alergias e igualmente naqueles casos os médicos não encontraram razões para as queixas dos jovens, informa a Lusa.

Durante o dia de ontem, foram hospitalizadas 21 crianças por suspeitas de intoxicação, também por causas ainda indeterminadas, na Escola Preparatória dos Pombais, em Odivelas, mas os médicos não encontraram ainda qualquer justificação para os sintomas que os alunos apresentavam.

Alunos da Escola Básica 2/3 receberam assistência hospitalar
Odivelas: crianças não ficaram intoxicadas com substâncias contaminantes
16.05.2006 - 21h14 Lusa

A delegada de saúde de Odivelas não encontrou qualquer substância contaminante ou poluente na Escola Básica do 2º e 3º ciclos frequentada pelos 21 alunos que hoje entraram nas urgências do Hospital de Santa Maria com problemas respiratórios.

Segundo António Ramos André, adjunto da ministra da Educação, a delegada de saúde considerou que a Escola Básica 2/3 dos Pombais, Odivelas, podia reabrir em segurança, por não terem sido encontradas quaisquer substâncias perigosas para a saúde das crianças.

Da mesma forma, a médica pediatra que assistiu as 21 crianças com "sintomas de intoxicação" no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, "também não encontrou nada de medicamente relevante nos exames objectivos realizados à entrada", adiantou Ramos André.

"Não se tendo apurado o que foi, os médicos consideram que os sintomas podem ter sido causados por sugestão", afirmou. Assim, a escola reabre na quinta-feira, uma vez que uma interrupção das actividades estava já prevista para amanhã devido a problemas registados no abastecimento de água.

"Na quinta-feira, a delegada de saúde e a Direcção Regional de Educação de Lisboa farão um acompanhamento da situação para ver se há desenvolvimentos que, em princípio, não se esperam", acrescentou.

As crianças, entre os dez e os 15 anos, deram entrada nas urgências do Hospital de Santa Maria ao final da manhã, com problemas respiratórios que começaram a manifestar-se na tarde de ontem, tendo todas recebido alta ao fim de algumas horas.

COMENTÁRIOS DOS LEITORES (PÚBLICO)

Intoxicação sexta-feira em Oeiras leva 27 crianças ao hospital
Por Anónimo, Oeiras

Na 6.ª feira, 27 crianças do ATL do Centro paroquial de Oeiras tiveram que recorrer às urgências dos Hospitais S. Francisco Xavier, Estefânia e Cascais devido ao facto de terem almoçado Bacalhau à Brás. O mais estranho é que tanto a TSF como a RTP tiveram conhecimento do assunto e nada divulgaram!!!!!!!
A mesma intoxicação foi inflingida aos idosos do Lar de 3.ª Idade do mesmo Centro Paroquial (já que a alimentação é comum). Há indícios que pelo menos um deles terá falecido. Onde estava a notícia?
 




Data: 2006-05-18

© 2005-2013 - Mediapolis - Design by Ectep