Autor
Contactos
Links
Espaço DMA
Os meus sites
Promoções, Silêncios, Desvirtuações
Terceiro Mundo em Notícias
Foi Você que Pediu um Bom Título?
YouTube
VÍDEOS EM DESTAQUE
Twitter
Facebook
Rádio BLIP
PODOMATIC DMPA
Manchete
Slideshare DMPA
Slideshows DMA
Torga em SMS
Centenário da República
Sítios dos meus alunos
Espaço A
Media Critics
Polémicas
Derrapagens
Da Condição de Jornalista
Educação para os Media
Fotografia
Fotojornalismo
Internet
Blogosfera
Televisão
Imprensa
Rádio
Agências Noticiosas
Design Gráfico
Publicidade
Público & Privado
Leituras
Revival
Vária
Recreio

 Inquérito









 Velvet Secret

Velvet Secret
Queima das Fitas, Coimbra, Maio 2007
Get flash player to play to this file



Não tenho dado notícias…

Manter a publicação de um jornal local ou regional tem os seus riscos. Um deles, talvez dos mais delicados, respeita à produção suficiente de matéria com dignidade noticiosa. As notícias de relevo escasseiam num meio pequeno, todos o sabemos. E se calhar até escasseiam num meio pequeno do tamanho do país que é Portugal. Daí alguns casos engendrados para subirem a manchete, e que horas depois já se esfumaram levados pelo vento que faz desaparecer tudo o que de importância vale zero, pouco mais, pouco menos.

Daí o facto da investigação jornalística, nos dias que correm, correr quase exclusivamente a expensas da imprensa escrita. A rádio deixou de investigar, contentando-se em pegar nos casos divulgados de madrugada pelos diários e semanários que se publicam no torrão. Os jornais descobriram o caso, o escândalo, a rádio pôe os personagens a falar, dá voz às letras da imprensa, à boleia e sem pagar direitos de autor.

A televisão faz o mesmo. Dias há em que apetece confrontar o alinhamento de um telejornal com as notícias dos jornais desse dia. Ainda há pouco tempo reparávamos que a primeira meia dúzia de notícias de jornal da uma do Canal 1 da RTP já vinham todas no "Jornal de Notícias" dessa manhã.

Quando as notícias escasseiam, há que puxar pela imaginação, ir à descoberta de assunto. E aí vale bastante a imaginação do jornalista. Quando os neurónios preguiçam, aí aconselharíamos mesmo a franqueza do correspondente do jornal "O Serrano" na vila de Tábua. Estávamos nos idos de 1913, corria o mês de Janeiro, e o noticiarista que assinava com o pseudónimo "Solus", justificava a ausência prolongada nas páginas do jornal lousanense, tudo por falta de assunto:
"Não tenho dado noticias porque em meio pequeno, como êste em a gente saindo para fóra da fórmula — vi nesta vila o sr. fulano, tivemos o prazer de abraçar o sr. Sicrano, cumprimentámos o sr. Beltrano, deu-nos a honra da sua visita o sr. Tarantano, e outras bugiarias de egual força, por muitas vezes tem o noticiarista de meter a viola no saco.
Não estranhe, pois, o nosso silencio
".

Sinceridade, acima de tudo. Neste número, "Solus" trazia notícia para reportar. O "Serrano" também trazia algumas, e entre elas não escapava a secção de chegadas e partidas que o correspondente de Tábua, ao tempo "Taboa", tanto criticava:
"— Encontra-se nesta vila a visitar sua familia, o sr. Alexandre Mascarenhas de Lemos, alferes da Administração Militar em Coimbra. — Regressou de Lisboa o sr. dr. Luiz V. de Lemos, advogado nesta comarca. — Embarcaram na quarta feira passada para Santos (Brasil), a bordo do Amazon, os srs. dr. João Santos, D. Ana Santos, Pompeu Santos, Paulo Menano, esposa e filhinha. Que tenham uma viagem feliz e que regressem depressa ao convivio de suas familias e pessoas amigas, é o nosso veemente desejo. — Retirou para Coimbra o sr. dr. Pratas, aluno do 5º ano médico, e sua esposa".

DMA

3 de Dezembro 1996




Data: 2006-01-16

© 2005-2013 - Mediapolis - Design by Ectep