Autor
Contactos
Links
Espaço DMA
Os meus sites
Promoções, Silêncios, Desvirtuações
Terceiro Mundo em Notícias
Foi Você que Pediu um Bom Título?
YouTube
VÍDEOS EM DESTAQUE
Twitter
Facebook
Rádio BLIP
PODOMATIC DMPA
Manchete
Slideshare DMPA
Slideshows DMA
Torga em SMS
Centenário da República
Sítios dos meus alunos
Espaço A
Media Critics
Polémicas
Derrapagens
Da Condição de Jornalista
Educação para os Media
Fotografia
Fotojornalismo
Internet
Blogosfera
Televisão
Imprensa
Rádio
Agências Noticiosas
Design Gráfico
Publicidade
Público & Privado
Leituras
Revival
Vária
Recreio

 Inquérito









 Velvet Secret

Velvet Secret
Queima das Fitas, Coimbra, Maio 2007
Get flash player to play to this file



Censura(s) do dispositivo televisivo Nos últimos dez anos, sensivelmente, tem-se procurado constituir em Portugal um saber reflexivo, crítico, sobre o dispositivo televisivo, em particular na área da informação.

De alguma maneira, a nossa tese sobre «O Sistema Político e o Telejornal ao Tempo de Salazar e Caetano», de 1993, abriu um conjunto de hostilidades necessárias neste campo.

Daí para cá, diversos trabalhos se têm vindo a inscrever efectivamente nos estudos sobre o dispositivo da informação televisiva, em particular no âmbito de outras dissertações académicas, quer de mestrado quer de doutoramento, o que constitui já um importante acervo reflexivo sobre uma das questões centrais em matéria de comunicação social e das relações do discurso da televisão face à experiência social.

A relação da TV com o mundo, nomeadamente do seu sistema de informação, é de uma enorme complexidade. Claramente, potencia a difusão de um saber que mais não é do que uma recomposição rotineira e burocrática dos acontecimentos, dada através de um ângulo muito particular, ‘instrumento de verdade’ que não pode iludir os seus dispositivos, os seus poderes e os seus rituais. Desta forma, o discurso televisivo conduz ao espectáculo de ritualização do acontecimento e à efabulação sempre violenta do real, na medida em que reconhece prioritariamente alguns dos seus estereótipos – a actualidade trágica, a catástrofe, o fait-divers, num contexto de pregnância sobretudo à figura do tradicional telespectador passivo e ao recorte limitado das suas expectativas.

Considerando novas especificidades desse sujeito-espectador, Jacinto Godinho acaba de defender a sua tese subordinada ao tema «Genealogias da Reportagem – do conceito de reportagem ao caso Grande Reportagem, programa da RTP (1981-1984)» onde discorre sobre a reportagem enquanto género televisivo que se propõe a uma ‘interactividade’ e não a uma ‘interpassividade’ telejornalística, procurando teorizar também enquanto observador participante, mas pensando também sobre ‘o dispositivo da notícia que vai devorando o quadro da vida pública portuguesa’, ou sobre a lógica-audímetro: «os telejornais hoje competem pela realidade que melhor agrada ao seu patrocinador, que é espectador», o ‘sujeito-espectador’, acrescenta.

O tema da reportagem, aliás, já havia sido tratado por José Rodrigues dos Santos, numa perspectiva histórica e discursiva, em tese de doutoramento também defendida na UNL, «O Correspondente de Guerra, o discurso jornalístico e a história – para um análise da reportagem de guerra em Portugal no Século XX».

Recentemente, na Universidade de Coimbra, Dinis Alves defendeu a sua tese de doutoramento em Ciências da Comunicação intitulada «Mimetismos e Determinação da Agenda Noticiosa Televisiva – A agenda-montra de outras agendas», procurando demonstrar que a narrativização do real através de práticas arreigadas nas redacções gera fundamentalmente acontecimentos em segunda e terceira mão, através da estratégia burocrática de produção de informação diária (de mimetismos de outras agendas e de rotinas diversas).

Refira-se também a tese de Mestrado de Nuno Goulart Brandão (em breve defenderá doutoramento), subordinada ao título A Televisão Generalista e a Abertura dos Telejornais. Dissertação de Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação, do Departamento de Sociologia do ISCTE, que comprovou também que há uma predisposição e uma regularidade na gestão dos alinhamentos dos telejornais para colocar a catástrofe com prioridade na agenda. Também em domínio afim, o crítico de televisão do Público, Eduardo Cintra Torres defendeu na sua tese de mestrado que, de certo modo, a "a tragédia se tornou um género televisivo".

Referência ainda para a tese de Gisela Machado, «O Primeiro Dia Europeu de Portugal: Cenas de uma União selada pela Televisão – Análise da Telecerimónia de Assinatura do Tratado de Adesão de Portugal à CEE», uma investigação extremamente assertiva sobre uma celebração, dita, curiosamente, «coroação» de uma estratégia há muito ansiada por Portugal, constituindo-se em contratualização cerimonial e em reforço (audiovisual) de legitimação.

As narrativas do real televisivo geram, através das lógicas dos directos, sobretudo protocolares, telecerimónias, acontecimentos ritualizados que fundam ou corroboram novas e velhas legitimidades e representações, permitindo o estabelecimento de paralelismos paradoxais (celebração vs. desordem), dado que os ‘directos’ de maior duração, ou representam a Instituição, o Estado, uma grande cerimónia no plano Europeu (como é o caso desta tese que vai para o prelo), um casamento real, o funeral do Papa, por exemplo, ou então abrem-se à tragédia e à catástrofe.

Vários enfoques, diferentes pontos de vista, mas um elo comum que se poderá identificar como se tratando, no fundo, da emergência de uma lógica de exclusão ‘acontecimental’, para privilegiar o ‘maravilhoso’ infotainment, que as audiências devoram na sua ‘missa’ diária das 20 horas. Uma exclusão que passa por ser uma nova dimensão do esquecimento e das censuras que tipificam o próprio dispositivo televisivo, a par da dimensão instrumental e performativa, designadamente.


Data: 2006-06-21
Autor: Francisco Rui Cádima

© 2005-2013 - Mediapolis - Design by Ectep