Autor
Contactos
Links
Espaço DMA
Os meus sites
Promoções, Silêncios, Desvirtuações
Terceiro Mundo em Notícias
Foi Você que Pediu um Bom Título?
YouTube
VÍDEOS EM DESTAQUE
Twitter
Facebook
Rádio BLIP
PODOMATIC DMPA
Manchete
Slideshare DMPA
Slideshows DMA
Torga em SMS
Centenário da República
Sítios dos meus alunos
Espaço A
Media Critics
Polémicas
Derrapagens
Da Condição de Jornalista
Educação para os Media
Fotografia
Fotojornalismo
Internet
Blogosfera
Televisão
Imprensa
Rádio
Agências Noticiosas
Design Gráfico
Publicidade
Público & Privado
Leituras
Revival
Vária
Recreio

 Inquérito









 Velvet Secret

Velvet Secret
Queima das Fitas, Coimbra, Maio 2007
Get flash player to play to this file



PÚBLICO, 18 DE JUNHO 2000
Todos Diferentes - Todos Jornais Alguns leitores têm-se dirigido ao provedor não tanto para apresentar esta ou aquela reclamação concreta mas para, mesmo partindo de exemplos pontuais, suscitar uma reflexão mais funda: estará o PÚBLICO a perder algumas das suas características distintivas e inovadoras, tornando-se cada vez mais igual a tudo o resto?

O essencial destas interrogações aponta para presumíveis cedências do jornal a uma certa corrente uniformizadora que abunda na nossa imprensa (mas a que não é alheia a influência tremenda da televisão e da suas lógica massificadora), corrente essa que, invocando piamente o "santo nome do leitor", acaba por adoptar soluções fáceis, títulos bombásticos, imagens chocantes, temas ligeiros, primeiras páginas gritantes... E o sensacionalismo à espreita, nas suas mais patentes ou envergonhadas formas. Mas, sobretudo, uma tendência para simplificar, para reduzir tudo a preto ou branco, para ceder ao gosto mediano e à tentação "voyeur", enfim, para um modo de tratar/apresentar informação que costumava ser exclusivo dos tablóides popularuchos (de onde o termo, muito em voga, de "tabloidização" dos telejornais ou da imprensa em geral).

Já há várias semanas, o leitor Francisco Gomes protestava pela "maneira ordinária" como o PÚBLICO documentou fotograficamente uma manifestação de estudantes do ensino secundário (a imagem mostrava um rapaz com uma frase obscena pintada no peito), dizendo-se convencido de que "a grande maioria dos jovens não se revê naquela porca maneira de manifestar as suas razões". Independentemente da maior ou menor pertinência do exemplo - todos lembraremos que imagens deste tipo marcaram uma certa época da contestação estudantil, a ponto de delas ter nascido o tão controverso epíteto de "geração rasca", mas a fase actual parece já não se rever muito nesse folclore -, fica a dúvida sugerida pelo leitor: escolhe-se uma fotografia por ser a mais significativa para o contexto noticioso em que se insere ou apenas porque é "forte" e "chamativa", independentemente de dar uma visão redutora, marginal, do acontecimento?

Uma das características da "tabloidização" passa precisamente por esta lógica: a da confusão deliberada entre o que "é" e o que "parece" relevante do ponto de vista do interesse (do) público. Uma coisa é pegar em aspectos particulares que podem ser muito significativos de questões mais gerais e, a partir deles, trabalhar a informação; outra coisa bem diferente é fixar-se em pormenores picarescos ou anedóticos e sobrevalorizá-los, generalizá-los, apresentá-los como se fossem tudo o que há a dizer sobre o assunto. E o "fait divers" que não passa de "fait divers", por muito engraçado ou curioso, acaba por transformar-se em vedeta do espaço nobre das notícias.

"Espera o leitor que o nível do seu diário permaneça para além da média, o que só se tornará possível se nas suas páginas não houver espaço para mediocridades", escreve uma outra leitora, Maria Dulce Costa, receosa de que o PÚBLICO, ao dar grande importãncia a certas matérias, "contribua para a poluição do gosto dos leitores". No caso vertente, o que lhe causou confusão foi o generosíssimo espaço há tempos dado a Margarida Rebelo Pinto, tendo como pretexto a publicação do seu segundo livro, na esteira do êxito de vendas que fora "Sei Lá". "Fica o leitor sem entender", diz Maria Dulce Costa, o que terá levado este jornal a "gastar tanta cera com tão ruim defunto". "Entre o 'Tiroliro' e uma sonata de Beethoven há um abismo intransponível", acrescenta, mesmo sabendo que "entre nós o 'Tiroliro' é mais conhecido do que as sonatas".

Voltando a usar o exemplo como oportunidade para uma reflexão mais larga, há aqui dois aspectos a considerar: por um lado, o facto de um jornal com determinadas características dever, ou não, pura e simplesmente ignorar certas realidades; por outro lado ( e admitindo que não as ignora), o modo de as tratar nas suas páginas. Não é apenas responder "sim" ou "não" à pergunta sobre se noticiar; é também, e sobretudo, o "como" noticiar - com que extensão, com que relevo, com que tipo de abordagem, com que conteúdo.

É aceitável que não passe despercebido a um periódico de grande informação um caso como o de Margarida Rebelo Pinto: publica um livro (confesso que não li, mas ouvi...) e vende, num instante, 20 ou 30 mil exemplares. Isso sabe-se, comenta-se, é invulgar, suscita natural curiosidade. Vamos lá, então, saber do assunto. Coisa bem diversa será abordar o tema, digamos assim, do ponto de vista da literatura - e tratar a autora como quem trata José Saramago ou Eugénio de Andrade. Não é só questão de extensão, é também questão de registo. E quem diz este assunto diz outros recentemente muito falados na imprensa em geral, apesar da sua duvidosa relevância, como o nascimento do bebé Blair ou o namoro do príncipe Carlos.

Noticiar não é necessariamente aderir, concordar, propagandear. Noticiar também pode ser - e sobretudo para jornais de referência - interpretar, entender, desmistificar, pôr as coisas no seu devido lugar. Algumas vezes, concordaremos, pôr as coisas no seu lugar é apenas ignorá-las (há sempre tanto tema que não tem espaço nos jornais!); noutras, porém, faz sentido uma abordagem jornalística, desde que em coerência com os parâmetros por que se define a publicação.

Um jornal é, em boa parte, o médio denominador comum de um leque variado de gostos e sensibilidades. Para não se fechar numa torre de marfim obstinadamente elitista e que olha com arrogância a realidade circundante (preferindo construir a sua realidadezinha, á medida de uns quantos leitores interligados em circuito fechado), precisa de praticar alguma abrangência de temáticas e abordagens, sendo certo que nunca poderá agradar cem por cento a todos os seus públicos. Mas esta é só meia história. A outra meia diz que, para além de querer alargar progressivamente o círculo de leitores, o jornal deve também investir numa personalidade própria, num projecto específico, num estilo - ou seja, numa imagem de marca que o faz distinto dos restantes e, diferenciando-o, lhe confere um valor particular. Num contexto cada vez mais uniformizado, é esse o seu trunfo. Como aponta o leitor Luis de Melo, também preocupado com a eventualidade de o PÚBLICO se transformar em apenas "mais um meio de comunicação social que esbraceja para sobreviver economicamente" e se tornar igual aos restantes: "O PÚBLICO começou por ser um jornal diferente. (...) Conquistou assim uma faixa de leitores que procuravam uma informação mais competente, menos primária e mais aberta ao 'sentido do mundo' no final do século XX". É, afinal, essa faixa de leitores que convém preservar - e alargar. Mas não desiludir ou trocar.

Nem sempre é fácil (que o digam as acesas discussões na Redacção...) resolver o dilema entre ter um jornal mais sintonizado com as preocupações dos seus públicos preferenciais, mais atento ás realidades do dia-a-dia, mais agradável de ler, mais criativo, e ter um jornal que, não sendo hermético ou elitista, afirma a sua diferença, a sua especificidade, as suas opções próprias, sem se preocupar em ir atrás do que "está a dar". Claro que tem de sobreviver economicamente. Mas, mesmo aí, pode ser enganoso querer "fazer igual" aos outros para conquistar novos públicos: às tantas não se conquista os novos (porque, em género "popular", há quem seja muito mais eficaz...) e, em contrapartida, vai-se perdendo os antigos. Como alguém dizia, nunca um jornal pode ser "para todos"; tentar fazê-lo é o caminho mais rápido de o fazer "para ninguém".




Data: 2006-06-21
Autor: Joaquim Fidalgo

© 2005-2013 - Mediapolis - Design by Ectep