Autor
Contactos
Links
Espaço DMA
Os meus sites
Promoções, Silêncios, Desvirtuações
Terceiro Mundo em Notícias
Foi Você que Pediu um Bom Título?
YouTube
VÍDEOS EM DESTAQUE
Twitter
Facebook
Rádio BLIP
PODOMATIC DMPA
Manchete
Slideshare DMPA
Slideshows DMA
Torga em SMS
Centenário da República
Sítios dos meus alunos
Espaço A
Media Critics
Polémicas
Derrapagens
Da Condição de Jornalista
Educação para os Media
Fotografia
Fotojornalismo
Internet
Blogosfera
Televisão
Imprensa
Rádio
Agências Noticiosas
Design Gráfico
Publicidade
Público & Privado
Leituras
Revival
Vária
Recreio

 Inquérito









 Velvet Secret

Velvet Secret
Queima das Fitas, Coimbra, Maio 2007
Get flash player to play to this file



INICIATIVA INÉDITA DO PÚBLICO
O leitor decide?

O Público realizou ontem [12.05.2006], pela primeira vez, uma experiência junto dos seus leitores online, no sentido de debater a eventual publicação de uma fotografia considerada chocante [foto da autoria de Pius Utomi Ekpei/AFP]. Por considerar que se trata de uma questão que vale a pena ser explorada, atrevo-me a reproduzir aqui o conteúdo de uma nota publicada hoje pelo jornal, e que está disponível apenas para subscritores:

"Durante a tarde de ontem, as redacções dos jornais receberam dezenas de fotos muito chocantes do desastre da Nigéria. O PÚBLICO escolheu uma imagem menos chocante e colocou à discussão dos leitores no seu site se ela poderia ser uma opção para a primeira página do jornal de hoje. Um exercício que tinha o objectivo de discutir no espaço público o tipo de decisões que os media tomam todos os dias, quase a toda a hora. A maioria dos que manifestaram a sua opinião defendeu que a foto não deveria ser publicada em primeira página por várias razões: por ser demasiado chocante, por não acrescentar nada à informação, por poder ser vista por qualquer pessoa nas bancas, por explorar de forma sensacionalista um acontecimento trágico. Houve também quem apoiasse a publicação em primeira página e muitos defenderam a sua publicação no interior do jornal. A experiência foi um êxito - recebemos durante as primeiras horas mais de um comentário por minuto, o que mostra o interesse dos nossos leitores na discussão deste tipo de temas. Por isso, vamos repetir no futuro este convite aos leitores. A discussão que ontem teve lugar no nosso site pode ser lida em: http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1257011." [Nota: A imagem em questão pode ser acedida através do link indicado.]

A fotografia que acabou por ser escolhida para a primeira página do Público é uma imagem das celebrações ocorridas ontem em Fátima, existindo porém uma chamada de capa sobre a explosão no oleoduto (mas sem imagem).
Acrescento, aliás, que numa rápida ronda que fiz a 75 capas de jornais europeus disponibilizadas na Internet, apenas um jornal italiano (Il Gazzettino) colocava em primeira página uma fotografia relacionada com este acontecimento, embora nesse caso a imagem seja perfeitamente inócua.

Foi interessante ler, ontem à noite, os comentários que foram deixados pelos leitores, e confesso que tinha bastante curiosidade em ver qual a decisão que o Público iria tomar. A publicação de imagens que possam impressionar os leitores está longe de ser consensual, mas o que me parece positivo neste caso é o facto de o jornal ter dado a palavra aos leitores, e ter ouvido o que estes tinham para dizer. Passo a passo, parecem estar a ser encontradas formas de efectivamente tornar a versão digital do jornal mais interactiva. Para já, por exemplo, é possível comentar as notícias de Última Hora. Talvez um dia essa possibilidade seja alargada às notícias que integram o corpo do jornal...

Um pouco menos positivo, na minha opinião, é o facto de o Público não apresentar, no texto que reproduzi, qualquer justificação sua para a não publicação da imagem em questão. Certamente deve ter havido algum debate na redacção sobre este assunto e, como leitora, gostava de ter uma ideia dos critérios editoriais que sustentaram a decisão, algo que não é sequer mencionado.
Muito embora veja com agrado uma abertura à participação dos leitores em questões desta natureza, julgo que, se o jornal pretende mesmo "discutir no espaço público o tipo de decisões que os media tomam todos os dias", também deve contribuir para esse debate. Isto é, não se limitar a ouvir os leitores (o que, insisto, já é algo muito positivo!), mas também apresentar os seus próprios argumentos. Caso contrário, quase dá a sensação que a decisão pode ter sido tomada apenas com base nas respostas dos leitores... e isso já me parece uma "abertura" demasiado radical.

Sara Moutinho
in Jornalismo e Comunicação
Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho


Os leitores a decidir...

Explosão na Nigéria faz mais de 150 mortos
INQUÉRITO: Concorda com a publicação desta fotografia na capa do PÚBLICO de amanhã?
12.05.2006 - 17h42

Concorda com a publicação desta fotografia na capa do PÚBLICO de amanhã? Deixe a sua opinião no espaço reservado aos comentários a esta notícia.

Não
Por Anónimo, lx
A fotografia só está aqui pelo horror, não pela informação que contém

Não, nem pensar
Por SE - Lisboa
Não serve para nada.

Não, pelo respeito a quem perdeu a vida
Por Anónimo, o
fazer dinheiro com a morte alheia... é um limite intransponível. as consciências não serão 'despertas' para 'isto'. hajam limites. a morte é uma constante -até hoje fisicamente eterna- e o horror desta imagem publicada é um desrespeito a quem perdeu a vida. tenho dito. espero que não a imprimam, pois serei menos um leitor a comprar o jornal amanhã.

Foto de 1ª página
Por antoniodiogo - portimao
não há necessidade.é para maiores de 18

A morte é pornográfica
Por AE - Montijo
Qual o intento por trás da publicação da imagem? Informação ou pornografia? Inclino-me mais para a segunda!

Eu não compraria o PÚBLICO por esta fotografia
Por Joan - Coimbra
... tratar-se-ia de sensacionalismo barato

Não
Por Pedro C Ferreira - Coimbra
No Correio da Manha talvez. O Publico nao carece de sensacionalismo barato deste. A qualidade dos sus textos basta para atrair leitores
Remissão de funções
Por Anónimo, Lisboa
Não há qualquer justificação para publicar. 1 - Há que respeitar as vítimas e respectivas famílias. O facto de não serem reconhecíveis, por serem muitas ou por estarem muito mutiladas, não tem qualquer relevância. 2 - A publicação da imagem implicará a confirmação de que o jornalista estará duvidoso sobre o grau de credibilidade da sua palavra. Quanto mais um jornalista for por este último caminho (publicar imagens - ainda por cima de cadáveres), mais rapidamente se poderá concluir que quando não as tiver se poderá dar o caso de não estar a falar verdade.

Já chega!
Por Carlos Matos - Lisboa
Absolutamente : não! haja respeito pela dignidade do homem na sua morte! chega de espectáculos, na optica de vender seja o que for! não há interesse público na divulgação das imagens. Foi a fome e a miséria a que os ricos não dão qualquer importância, os carrascos daquela pobre e desgraçada gente! mostrem a cara de quem toda aquela trajédia, provocou, a começar pelos policias do mundo!.

INQUÉRITO: Concorda com a publicação desta fotografia na capa do PÚBLICO de amanhã?
Por Barrento - Lisboa
e porque não pornografia?...

Sim
Por João Vasco - Lisboa
Creio que o bom jornalista não é aquele que mostra ao leitor aquilo que este quer ler e ver. É aquele que mostra o mundo como ele é, mesmo chocando e perturbando o leitor. Neste caso a foto traduz melhor que muitas palavras a violência da tragédia que se vive. Mostrar a tragédia deve passar por passar algo perturbador, visto que a mesma deixaria poucos indifirentes.

Jornalismo medíocre
Por João - EUA
Eis um excelente exemplo de jornalismo medíocre e irresponsável. Por que razão é que o aviso «ATENÇÃO: Esta imagem pode chocar pessoas mais sensíveis» aparece por baixo da fotografia? Metam o aviso primeiro, e só depois um link para a fotografia!

As vezes sim, às vezes não...
Por Anónimo, Lisboa
Concordo com a publicação de fotos e relatos violentos quando está em causa a nossa liberdade de raciocinio sobre um determinado assunto, ou quando é necessário a partir de uma imagem altamente emocional demostrar a realidade que tende a fugir ... mas não concordo a publicação das fotos simplesmente para mostrar um acontecimento acidental, nesses casos a palavra poderá explicar de forma honesta e real o acontecido. Todavia, porque acredito na liberdade de expressão, concordo com a publicação dessa foto numa revista da especialidade onde o leitor está consciente da carga por vezes "violenta" das imagens. Até porque somos livres de mostrar ao público o real, por mais violento que seja, por exemplo: Se não tivesse sido publicado fotos do Holocausto, teríamos a mesma percepção do que aconteceu ?

Comentário
Por JRoque - Almada
Objectivo da publicação? Não compreendo a necessidade de publicar imagens deste tipo.

1ª Página do PÚBLICO
Por i.b. - Sertã
Para quê? Para construirmos um mundo ainda mais cruel? P jornal público não merece esta capa!

Sim
Por Manuel Palma - Lisboa
Sim! É o nosso mundo. O nosso viver. Devemos vê-lo.

Boa decisão
Por AL - Espinho
Se não a publicaram, acho bem, como leitor. Parabéns!

Não
Por Anónimo, Lisboa
Sendo o Publico o único bom jornal de Prtugal, penso que não deveria publicar a fotografia.

Não
Por Joao - Rio Meão
Concordo que a foto esteja publicada na "net" porque sempre temos a possibilidade de aumentar, ou naõ, para nos apercebermos melhor da realidade da noticia, se ela sair em papel as pessoal náo tem escolha.

Para onde caminha o Publico?
Por Lieriense - Leiria
Primeiro foi a página de futilidades (inutilidades), agora até o facto de pensarem em publicar esta foto dá que pensar. Para onde caminha o jornal dito de "referência"?

Não. Para quê? Há palavras que valem mais que uma imagem
Por RC - Lisboa

Beatas intelectuais
Por joao bac - luxemburgo
esta imagem NÂO PODE ser publicada, sob pena de despertar consciências. a julgar por algumas reacções mais alérgicas ao inquérito não posso deixar de pensar que, em alguns casos, a sensibilidade delicada é um belo mecanismo de defesa para evitar reflectir no contraste entre as condições de vida em várias partes do mundo.

Não. Esta pergunta, só por ser feita, alerta-nos para o risco de tabloidização que o Público corre.
Por V. Riteiro - Lxa.
Não. Esta pergunta, só por ser feita, alerta-nos para o risco de tabloidização que o Público corre.

Publicar. Mas não na capa
Por Anónimo, Lisboa
O planeta conssome o petroleo. O planeta arde. A Humanidade conssome o petroleo. A Humanidade arde. O planeta cheira a queimado. As Humanidades vão ardendo.

Não
Por Miguel Lopes - Póvoa de Varzim
Esta fotografia é um hino à estupidez por duas razões: 1- A estupidez de quem estava lá 2- A estupidez da sociedade que forçou estas pessoas a tomar riscos tão elevados Esta fotografia não vai servir em nada a população portuguesa. É uma sociedade diferente e a colocação da fotografia na 1a página apenas aumentaria este hino à estupidez

Não concordo com a colocação desta foto na 1ª pag.
Por Anónimo, Coimbra
penso ser talvez aceitável colocar a foto nas páginas interiores, mas não na primeira página!!!

Serviço público
Por Fred – Portugal
Isto fica lá no Fim do Mundo. Se querem fazer imagens chocantes usem as que se passam no nosso país. De resto, quem deve decidir não são os leitores embora reconheça que foi uma maneira inteligente de sondarem o que vos esperaria se o fizessem..

Não
Por Anónimo, Vila do Conde
A ética jornalistica deve prevalecer em detrimento do direito à informação...

Nunca!
Por André Moura e Cunha - Porto
Primeiro vedam-nos o acesso gratuito em linha ao jornal, depois utilizam-nos para nos pedir a opinião sobre uma abjecção deste calibre! Simplesmente, grotesco!

Impressionante
Por João Póvoa - Leiria
Sim... temos direito a conhecer a realidade... para isso, e ainda bem, existe a profissão de fotógrafo. Por muito dura que seja a fotografia... ela deve ser vista numa perspectiva de homenagem aos anónimos que pereceram neste trágico acidente... MUITO OBRIGADO JORNAL PÚBLICO...

Demasiado violenta
Por Alexandra Coutinho - Lisboa
A imagem é desnecessária. A sua não publicação não prejudica o direito/dever de informação. Existem limites no jornalismo.

Onde acaba o direito à informação e onde começa a ética jornalistica?
Por Pedro Correia - Lisboa
Sinceramente, não acredito que a publicassem, mas já vi coisas semelhantes, não desta natureza mas igualmente chocantes.

Não
Por Anónimo, Fátima
Eu não publicaria na primeira página. Mas agradeço ao Público esta iniciativa de consultar os leitores. E deve repeti-la com outras situações. Pelo menos faz-nos pensar um pouco mais em assuntos tão delicados. Por um momento senti-me jornalista na redacção de um jornal.

Não
Por Luis Sousa – Moita
Não concordo com a publicação, essencialmente porque milhares de pessoas a irão ver e é uma imagem chocante. Acho que há um limite para tudo e a imprensa tambem deve ter essa noçao de limite!

Não
Por ABSantos – Lisboa
Mil vezes não. Não acrescenta rigoramente nada ao conteúdo da notícia e é uma exploração abjecta da morte e sofrimento alheios. O Público não pode enveredar por este caminho.

Concordo
Por josé figueiredo – Sines
Concordo, é chocante e brutal, mas mostra a realidade. Ilustra bem a miséria que leva as pessoas a correr o risco de roubar petróleo no oleoduto. Este tipo de acidente repete-se inúmeras vezes.

Sim
Por Jorge Vaz Nande - Lisboa
A fotografia é forte, sim, mas revela de modo exemplar o facto relatado. Poderia ser demais se se cumulassem duas alternativas: permitir uma identificação da vítima; o Público ser um jornal lido na Nigéria. Como me parece que nenhuma das duas se verificará a um ponto suficiente, considero que a publicação é aconselhável. É um grande exemplo de fotojornalismo, ainda que o facto seja terrível no que toca ao significado humano. Não se pode ter medo nem andar amarrado à conveniência: a foto é bom jornalismo.

A imagem mostra o horror! escondê-lo é que não!
Por Luis Nunes – Cascais
Preferem a higiene do texto?

obviamente que sim
Por luis jorge - amadora
depois de tudo o que já foi publicado é só mais uma realidade. para falsos pudores bastam as têVês todas!!!









Data: 2006-05-26

© 2005-2013 - Mediapolis - Design by Ectep